TRADUTOR

terça-feira, 24 de setembro de 2013

DIVÓRCIO, A MORTE DO RELACIONAMENTO.


DIVÓRCIO, A MORTE DO RELACIONAMENTO.

Há muitos que acham que o divorcio é a solução para todos os problemas conjugais.
E outros, ainda acham que é o inicio de um novo estilo de vida.
O divorcio, em si, não é um sintoma ou mesmo uma doença.
O divorcio é uma declaração de que o casamento, o relacionamento, a família, os projetos, os sonhos, os planos de Deus, os propósitos de Deus para a vida em conjunto, etc., chegou ao fim.
É a morte de tudo, e como um morto não serve para nada, deve ser sepultado imediatamente, pois começa a feder e a incomodar a todos, pois é a quebra de uma aliança firmada na presença de Deus e onde ambos declararam serem fiéis em todas as circunstâncias, que deveria ser quebrada somente com a morte física de um dos cônjuges.
Antes da morte chegar ao corpo humano, ele apresenta alguns sintomas, que se tratados, poderão salvar a vida do ser.
Da mesma forma, os sintomas em seu relacionamento pode mostrar que seu casamento esta caminhado para um divorcio, eis alguns:
-  Horas excessivas no trabalho.
-  Ausência constante em casa.
- Brigas constantes.
- Amargura.
- Indiferença.
- Grosseria.
- Aspereza.
- Greve de silencio.
- Frieza sexual.
- Frieza na comunicação.
- Reclamações constantes.
- Desentendimentos constantes.
- Etc..

Se o seu corpo esta doente, você procura um médico, então se você identificou esses sintomas em seu relacionamento, procure ajuda imediatamente.

A situação é tão seria que Deus declara em Malaquias 2:13-16:
13 - Existe outra coisa que vocês fazem: gemem e choram, cobrindo de lágrimas o altar de Deus porque ele já não aceita mais os sacrifícios que vocês oferecem. 
14 - E cada um de vocês pergunta: “Por quê?” É porque Deus sabe que você tem sido infiel à sua esposa, a mulher com quem casou quando era moço. Ela era sua companheira, mas você quebrou a promessa que fez na presença de Deus de que seria fiel a ela. 
15 - Não é verdade que Deus criou um único ser, feito de carne e de espírito? E o que é que Deus quer dele? Que tenha filhos que sejam dedicados a Deus. Portanto, tenham cuidado para que nenhum de vocês seja infiel à sua mulher.
16 - Pois o Senhor Todo-Poderoso de Israel diz:
— Eu odeio o divórcio; eu odeio o homem que faz uma coisa tão cruel assim. Portanto, tenham cuidado, e que ninguém seja infiel à sua mulher.

O estado do divorciado perante Deus, é de morte, pois pela sua infidelidade, suas orações não são ouvidas (versículo 13).
O desejo de Deus é de que a família permaneça unida e tenham filhos dedicados a Ele, porém  esses filhos seriam desequilibrados na sua formação pela falta de um dos pais, então Deus diz: Eu odeio o divorcio; eu odeio o homem que faz uma coisa tão cruel (versículo 16).
Ainda que o divorcio seja um estado de morte e abominável diante de Deus, existe uma esperança para a ressurreição desse relacionamento.
Quando Jesus disse: Eu sou a ressurreição e a vida, quem crer em mim, ainda que esteja morto viverá.
Para que haja vida, é necessária a presença de Cristo, o autor da vida, pois onde Ele se manifesta, a morte vai embora e a vida reina.
 Essa mesma palavra serve para ressuscitar seu casamento e sua familia.
É necessário que Ele seja convidado para dar vida novamente, pois somente o autor da vida pode realmente dar vida.
Ainda que seu cônjuge tenha ido embora, assuma você o compromisso de se render a Cristo e deixa-Lo trabalhar em você e em seu cônjuge.
Seja totalmente dependente de Cristo.
Seja uma pessoa que tenha intimidade com Cristo.
Seja uma pessoa que viva a vida de Cristo.
Renda-se a Ele completamente, sem receios e sem meio termo.
“Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele, e Ele tudo fará. Salmos 37.5”
E se seu cônjuge não quiser retornar e não quiser a Cristo?
O que fazer?
Não faça nada. Deixe Jesus trabalhar, Ele sabe como faz. Ele cuidara de você e de seus filhos.

Salmos 68: 5,6  - Deus, que vive no seu santo Templo, cuida dos órfãos e protege as viúvas.
Ele dá aos abandonados um lar onde eles podem viver e solta os prisioneiros para que vivam livres e felizes.

Cuiabá-MT, 24 de setembro de 2013.


Pr. Elias Souza