TRADUTOR

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

A PERDA DE UM FILHO - FINAL




SUPERAR  - FINAL - RESUMO

Respondeu-lhe Jesus: O que eu faço, tu não o sabes agora; mas depois o entenderás.
João 13:7
Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão.
Salmos 127:3

Depois de alguns dias adoentado, estou de volta.....

Desta vez, serei mais simples e resumido no testemunho, pois a dor da narração é muito forte e acaba causando grande comoção e tristeza, e não é esse o meu objetivo.

Prosseguindo......

Como narrado anteriormente, chegamos de volta a Cuiabá, no domingo, dia 28/02/2010, e nos dias 01 e 02/03/2010, foram dias terríveis, pela sensação de morte, pois o meu coração parecia que iria explodir de tanta dor.
Dia 02/03, fui dormir mais cedo, sem me despedir de todos, pois tinha certeza que morreria naquela noite.
Fui acordado no dia 03/03/2010 às 7:10 horas, com o meu celular tocando, e um pessoa do outro lado da linha....
Sem cerimônia....
Sem meias palavras...
Sem pensar....
Me perguntou, o que eu era da Kezya, ao responder-lhe que era o pai, de supetão ele disse: não tenho boas noticias, pois a sua filha sofreu um acidente e foi a óbito, venha urgente para cá.
Levantei num susto e não pude dizer a verdade completa a minha esposa.
Sai com minha filha mais velha e fomos até o local do acidente.
Veja no link:



Resumindo:
Havia uma emissora de TV, filmando o local do acidente, eu não vi e não sabia. Uma senhora que viu a reportagem, foi tocada pelo Espírito Santo, foi salva e foi curada de uma doença chamada lúpus.
Eu tinha fé de orar para Deus a ressuscitar, porém, o Espírito Santo disse: Não.
Durante o funeral, um antigo amigo da Kezynha, seminarista, que iria ser padre, procurou minha sogra e disse:
- Para poder encontrar a Kezynha do céu, eu preciso aceitar a Jesus Cristo como Salvador, ore por mim. Vou deixar o seminário.
Muitos jovens e adolescentes estiveram na capela e foram tocados pelo Espirito Santo.
            Durante o sepultamento, Deus nos tocou e tocou a todos que estiveram no cemitério, trazendo uma mudança de vida à muitos jovens.
Reclamei com Deus: Senhor, a Kezya não me pertencia, pertencia a Ti, porém me acostumei a ela.
Deus me respondeu: O que eu faço, você não entende agora, mas entendera  depois. Eu a queria junto a mim e a única forma de traze foi dessa forma.
Por causa da vida e influencia da Kezya, pude falar de Jesus na faculdade onde ela estudava e também no Instituto Federal de Educação, onde cursava secretariado.
Em um momento de angustia, o Senhor me disse: Já lhe disse três vezes que ela esta comigo.
Em 30 dias, Deus libertou a outra filha que estava no relacionamento que falamos anteriormente.
Deus nos deu então, não um genro, mas um filho, o qual amo de todo coração.
A Kezya, sem sabermos, possuía um seguro de vida, que foi a benção deixada para pagar todas as despesas do casamento, que era  o sonho de princesa de ambas.

Por isso escrevi, para a entrada da noiva:
“Sentada em sua carruagem prateada, a menina moça, vestida como princesa para o seu dia especial, olha para o céu, contempla uma estrela solitária a brilhar e ouve em seu coração:
- Você não será feliz no casamento, pois VOCÊ JÁ É FELIZ.
A sua felicidade foi o presente de sua irmã caçula, que entregou sua vida a Deus pela sua felicidade.
Foi o preço, porém, foi pago com muito amor.”

Deus me deu uma visão em uma noite enquanto preparava minha aula de EBD, onde fui levado até ao céu.
Pude contemplar aquele rosto lindo, andando de mãos dadas com Jesus.
Eu queria ficar lá, mas não pude.
Voltei para o meu quarto e continuei a preparar minha aula com alegria, sabendo que um dia estaremos juntos novamente.
Há muitas outras coisas boas milagres que aconteceram, porém resumi o máximo possível.
Sou convidado para contar o seu testemunho em varias igrejas, e muitos jovens e adolescentes tem ido a frente chorando entregando suas vidas a Jesus.
Para terminar, algo que marcou:
Em uma igreja, antes de terminar o testemunho, veio um homem chorando e se ajoelhou diante do altar implorando para voltar para o Senhor Jesus.
Me informaram, que era um antigo presbítero que estava desviado havia muito tempo.

Então, superar, é crer que nossos filhos pertencem a Deus.
Eles não morrem jamais.
Permanecem vivos em nossos corações.
Um dia, estaremos assentados, todos juntos, a mesa do Rei dos reis e Senhor dos Senhores e diremos: Valeu a pena.


DEUS VOS ABENÇOE.

Cuiabá-MT, 07 de Outubro de 2;013.

Pr. Elias Souza