TRADUTOR

terça-feira, 1 de outubro de 2013

A PERDA DE UM FILHO - PARTE 01



Verdadeiramente bom é Deus ..., para com os limpos de coração.
Salmos 73:1

Para se entender o presente, é necessário retornar o passado e verificar todos os caminhos trilhados.
Como nos casamos cedo, eu com 18 anos  de idade e minha esposa com 16 anos de idade, começamos, pudemos não apenas acompanhar, mas vivenciar e curtir o crescimento de nossas filhas. Tanto é, que no quando completamos 03 anos em meio de casados, nasceu a caçula.
Nosso relacionamento com nossas filhas não era apenas de pai, mas de pai-amigo e amigo-pai.
Estávamos presentes em quase todas as atividades que elas estavam envolvidas, quer seja, na escola, igreja, passeio ou social.
Sempre digo que nosso casamento foi um projeto de Deus, minha família é um projeto de Deus e ela pertence a Deus.
Um dia em que eu estava bravo com as meninas, Deus mandou 02 profetas em minha casa, que usados por Deus me disseram: Suas filhas são minhas, você as entregou a mim. Portanto, deixe-as em minhas mãos.

ANO DE 2010.
Em Janeiro de 2010, Deus nos proporcionou o privilegio de planejarmos e realizarmos a melhor férias de nossas vidas.
Dia 13 de fevereiro de 2010, partimos em direção a Santa Catarina.

Durante um período de 15 dias, rodamos mais de 5.000 quilômetros.
Conhecemos muitas praias e pequenas cidades de SC.

Passamos dois dias inteiros nos divertindo no parque Beto Carrero.

Nada nos faltou e parecia que tudo se multiplicava.

A Kezynha sempre foi o meu grude, meu chiclete e sempre se preocupava comigo, e como no período estávamos em transição de mudança de igreja, ela me disse:
- Pai, vou congregar onde o senhor congregar.
- Vou me integrar ao conjunto de Louvor da Igreja, assim que voltarmos para Cuiabá.
- Estarei sempre com o senhor e com minha mãe.

Kenya e Kezya voltaram de avião uma semana antes de nosso retorno, pois ambas tinham compromisso com o trabalho.
No aeroporto em Curitiba, a Kezya abraçou a sua tia Fran, e disse: tia, esta é a ultima vez que a família se reúne completamente.
Era Deus usando a sua própria boca, para nos preparar para o que estava por vir.

Naquela noite, não dormimos direito em Joinville, até ter a certeza do pouso do avião em Cuiabá, e ambas disseram, que foi um voo assustador. Parecia que o avião iria cair.
Guardamos todo o acontecimento em nossos corações.

.......... Continuo amanhã.




 Cuiabá-MT, 01 de Outubro de 2.013
Pr. Elias Souza