TRADUTOR

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

CASEI-ME COM UM NÃO-CRENTE


                    CASEI-ME COM UM NÃO-CRENTE
Quem teria coragem de culpar uma criança por atravessar a rua na frente de um caminhão em movimento, se seus pais desde cedo não a avisaram do perigo?
Quem culparia uma filha de Deus por se casar com um não-cristão, se não foi avisada sobre os perigos de tal passo?
Lembro-me do dia da minha conversão. Foi o dia mais feliz da minha vida. Minha alegria era tanta que não pude esperar chegar a noite para falar com meus parentes acerca da minha felicidade.
Todavia, depois que me casei com não-cristão a coisa mudou.
Mas tarde, percebemos que aquele dia feliz nos traria muitas noites de pesadelos. O casamento deve ser uma união de espíritos e comunhão com Deus: duas pessoas andando juntas ao lado de Deus.
Jamais pensei que surgiriam tantos problemas, por exemplo:
A escolha de nossos amigos.
Diferentes alvos de disciplina em relação a nossos filhos.
Tensões entre as nossas amizades da igreja e as de meu marido em seu ambiente de trabalho.
Conflitos no que dizia respeito a seus hábitos de beber, fumar e usar linguagem profana.
                Do meu lado havia uma luta ainda mais profunda e positiva, em minhas tentativas de dar graças a Deus na hora das refeições, assistir  as aulas bíblicas e comparecer aos cultos. Essas e muitas outras coisas são apenas alguns dos obstáculos que encontramos quando o casal não esta unido em Cristo.
                Minha maior aspiração no momento é ver chegar o dia em que, juntos, possamos viver em Cristo. Até que chegue essa hora, porém, meu marido espera que eu esforce o mínimo possível para continuar adorando a Cristo e sendo uma cristã fiel. Ele me ridiculariza na frente das crianças, caçoando de minha “fraqueza”. Quando volto para casa depois do culto, raramente fala comigo durante o resto do dia.
                 Tento ensinar meus filhos, dizendo-lhes o que Cristo pode fazer na vida deles. Mas, meu marido, silenciosamente, destrói tudo. Nossos filhos enfrentam um constante dilema: em quem acreditar?
                Estou trabalhando a cada dia que passa, mas tenho medo de perder a luta. Se isso acontecer, não perderei apenas ente queridos, mas sim meus filhos e talvez meu marido. Há momentos em que quero desistir, fugir a tensão, mas nessas horas sempre recebo forças de meus irmãos que se lembram de mim em suas orações.
                Por favor, moça cristã, não cometa o erro que eu cometi. Não se case com um não-cristão.
                Mas, se você já é casada, pegue sua bíblia e leia I Pedro capítulos 3 e 4, e também Romanos 7:1-3.
ANÔNIMO.
                Conforme o triste testemunho e lutas de nossa irmã em Cristo, lhe pergunto: Vale a pena construir um relacionamento fora da direção de Deus?
                Não se firme em aparências e posses, procure alguém que tenha um compromisso com Deus e o serve de todo o coração.
                Guardo a declaração de uma jovem, que aprendeu a esperar em Deus:
“O noivo que espero, por certo, há de me amar. Deve ser uma pessoa convertida, consagrada. Ele me oferecerá um lar. Mesmo que seja um ninho pequeno, humilde, mas Deus habitará nele, e nós seremos felizes”.

Cuiabá-MT, 21 de Outubro de 2.013.

Pr. Elias Souza & Quitéria